Resenha: Police, au coeur du chaos

postado em: Imprensa, Visão Periférica | 0

Os Coletes Amarelos vistos de fora por uma francesa

Marion BARTHE – Discente de Letras Francês com especialização em comércio na Universidade de Glasgow e aluna intercambista do curso de Relações Internacionais na Unesp de Marília.

Este artigo é uma reflexão sobre o tema das manifestações dos Coletes Amarelos (do francês Gilets Jaunes) na França do ponto de vista de uma francesa que não mora na França. Depois de assistir o documentário da BFMTV “Police, au coeur du chao” (2019) e participar de um debate liderado pelo Prof. Dr. Luís Antônio, os participantes foram convidados a escrever um artigo sobre o assunto, descrevendo seu ponto de vista e suas interpretações sobre esse assunto.

I. O contexto

Antes de apresentar meu ponto de vista, é essencial uma contextualização dos vários eventos que levaram ao ato do dia 17 de novembro.

Todos esses eventos levam à primeira manifestação, declarada anteriormente, no dia 17 de novembro de 2018, primeira de múltiplos atos.

II. Quem são os Coletes Amarelos?

Os Coletes Amarelos são um grupo de pessoas, homens e mulheres, que vivem na França e se consideram pertencentes às classes pobres ou médias6. A maioria tem entre 30 e 40 anos7. A essas pessoas foram adicionados posteriormente grupos de extremistas, de direita e esquerda, e vândalos8.

Mesmo que a maioria dos coletes amarelos atenda a esse perfil, o exemplo de um homem político, Jean Lassalle, que no dia 21 de novembro de 2018, veste um colete amarelo na Assembléia Nacional9, mostra que o movimento também é apoiado por algumas pessoas da classe alta.

III. Reivindicações e demandas

A primeira demanda, isto é, o principal motivo da manifestação do 17 de novembro, foi o aumento dos impostos sobre os combustíveis10 e, consequentemente, o aumento desse orçamento para as famílias francesas mais desfavorecidas. Os franceses, vendo um desequilíbrio entre os impostos e os serviços públicos, decidiram manifestar. A insatisfação dos franceses ficou ainda mais viva quando souberam que os ganhos com o imposto sobre combustíveis não seriam investidos principalmente em favor da transição ecológica ou dos transportes públicos11.

Durante as manifestações seguintes, eles geralmente denunciam a injustiça tributária e social, dando o exemplo do congelamento de pensões, do aumento do número de impostos, etc12. Os Coletes Amarelos exigem, entre outros: o congelamento do aumento dos impostos sobre os combustíveis, a justiça social com a abertura do estado geral da tributação, e, além disso, a restauração do imposto sobre a fortuna e a democracia participativa com a votação proporcional nas eleições parlamentares para que a população esteja melhor representada no parlamento13.

IV. Os meios

Os manifestantes se reuniram e organizaram principalmente com a ajuda das redes sociais. Seus meios de ação eram manifestações, operações caracóis e bloqueios de estradas.

V. A resposta do governo, as mudanças

No dia 6 de dezembro de 2018, o primeiro-ministro Edouard Philippe anuncia o cancelamento do aumento do imposto sobre combustíveis para o ano de 201914.

O Presidente da República, em seu discurso aos franceses no dia 10 de dezembro de 2018, anuncia: o aumento do SMIC (salário mínimo) 100 euros por mês, horas extras sem impostos; incentiva os chefes a dar um bônus de final de ano (sem impostos nem sem encargos); e declarou que, para pensões de -2000 euros por mês, o aumento do CSG (contribuição social generalizada)  será cancelado.

No dia 27 de novembro de 2018, dois Coletes Amarelos, Eric Drouet e Priscillia Ludosky, são recebidos pelo ministro da Transição Ecológica, François de Rugy, para discutir das demandas dos manifestantes15.

VI. Os pontos positivos do movimento dos Coletes Amarelos na minha opinião

O primeiro benefício é que o povo francês foi ouvido. O direito de protestar é permitido e o evento deve ser declarado com antecedência16. O povo aplicou seus direitos para defender seu poder de compra e fazer o governo reagir.

O segundo e principal benefício da mudança é o cancelamento do imposto do aumento no combustível. A primeira e principal razão da manifestação dos Coletes Amarelos resultou no cancelamento da decisão do governo.

VII. Os pontos negativos do movimento dos Coletes Amarelos na minha opinião

Um dos pontos negativos foi para mim as imagens da destruição da herança francesa e o ataque aos símbolos. Nativa da França, eu me identifico com esta nação pelas minhas origens e amor por este belo país e cultura. No entanto, depois de ver os vários relatos dos Coletes Amarelos, muitas vezes me senti incomodada, envergonhada e confusa por estar associada à França e, consequentemente, a esse movimento. Na minha opinião, o povo francês tem o direito de expressar seu descontentamento e defender suas ideias. No entanto, a violência, o saque do Arco do Triunfo em 1º de dezembro, e a falta de fundamento dos discursos de alguns manifestantes me deixaram muito desconfortável, e não devia ser um caso isolado.

Essa imagem ruim, por diferentes mídias, foi ao redor do mundo. As consequências diretas foram o declínio do turismo. A França é país mais turístico do mundo. Eu mesma cancelei algumas viagens que faria no país e conheci alguns turistas que fizeram o mesmo, ou turistas descontentes com sua estadia na França devido aos eventos. Estima-se “a 0,1% do PIB, ou dois bilhões de euros” as perdas17 relacionadas aos eventos dos Coletes Amarelos. As perdas não afetaram apenas o setor de turismo. Transporte, gastos públicos (com horas extras da polícia e reconstruções relacionadas aos danos) e comércio também foram impactados. O volume de negócios das empresas teria caído entre 20 e 30%18. Além disso, “hotéis, restaurantes e cafés perderam 850 milhões de euros”19. Como resultado, isso teve um impacto considerável na política de emprego das várias empresas francesas20.

As manifestações nem sempre foram pacíficas. No dia 16 de março de 2019, segundo a FranceTVinfo.fr, haveriam 3800 feridos e 11 mortos após o movimento dos Coletes Amarelos21. Ambos os lados, os manifestantes e a polícia, foram afetados e, na minha opinião, excederam os limites sociais e legalmente autorizados. Manifestantes gritando palavras de morte contra o presidente e a autoridade pública, lançando projéteis pesados ​​e mortais, desrespeitando as regras da sociedade, considerando a polícia como seu “inimigo”, demonstrando ilegalmente e destruindo propriedades e bens comuns públicos foram longe demais em suas palavras e ações22. Do lado da polícia, tentando conter sua raiva e aborrecimento por essas manifestações repetitivas e violentas, em minha opinião às vezes reagiram mal ao movimento de multidões. Ao tratar esta manifestação e seus manifestantes de maneira semelhante a qualquer manifestação com um grupo homogêneo, eles identificaram erroneamente a situação23. Recorrendo à violência policial, usando indevidamente seus equipamentos de defesa, desconsiderando o princípio da graduação e não cumprindo suas duas funções: proteção pública e aplicação da lei; a aplicação da lei também excedeu os limites24. Os manifestantes e a polícia, embora todos sejam seres humanos com sentimentos e emoções, deveriam ter conseguido encontrar uma solução mais pacifista para expressá-los, mas o movimento da multidão e o cansaço, associados a duração dos eventos, não permitiram que as manifestações não fossem violentas.

Finalmente, houve efeitos negativos sobre toda a população, Coletes Amarelos ou não. O transporte foi interrompido, as atividades turísticas e comerciais foram perturbadas. Tomando meu exemplo, estive várias vezes trancado de forma preventiva em lojas no centro de Toulouse por causa dos protestos dos Coletes Amarelos. Meu pai estava passando dias de folga, perdendo dinheiro, para evitar problemas de transporte e a possibilidade de violência das manifestações não muito longe de seu local de trabalho.

VIII. Os efeitos a serem considerados na leitura deste artigo

Ao tentar ser a mais objetiva possível em minhas observações, quero destacar alguns pontos que podem ter influenciados minha percepção dos eventos dos Coletes Amarelos

Primeiro, a influência da mídia na seleção e edição do conteúdo dos relatórios, que às vezes são comparadas às outras manifestações ou revoluções francesas. Embora seja verdade que as visões dos Coletes Amarelos eram visualmente semelhantes à manifestação de maio de 68, devemos ter em mente que cada comparação é subjetiva e procura influenciar os ouvintes, depreciando ou aprimorando esse movimento25. Até onde eu sei, não havia um relatório ou artigo que explicava e informava os leitores objetivamente; havia apenas uma seleção subjetiva de informações instigando os franceses a tomarem partido por esse ou aquele lado.

Depois, as diferenças de comportamentos entre as manifestações nas metrópoles e as manifestações no interior. Os excessos dos manifestantes e policiais ocorreram principalmente nas grandes cidades e vários eventos dos Coletes Amarelos aconteceram pacificamente. Cada evento, de acordo com sua localização, a diversidade de manifestantes e o contexto socioeconômico, tem características diferentes; o que explica por que alguns eventos do Coletes Amarelos foram pacíficos e outros não.

Além disso, tendo como regime político uma democracia, as mudanças são de natureza lenta26. Os franceses foram pacientes durante vários governos. Apesar disso, o governo francês está lutando para atender às expectativas do povo francês, talvez a mudança na estrutura e na política seja de fato repensar ou, pelo menos, melhorar para permitir que o governo aja, e para o povo francês estar satisfeito.

Finalmente, a percepção variável dos policiais é um ponto a considerar. Como afirmei anteriormente, a polícia tem dois papéis principais: manter a ordem (numa manifestação, por exemplo) e a proteção civil (proteger os cidadãos de um ataque terrorista, por exemplo). Um dos momentos da minha vida em que o patriotismo francês me tocou foi durante as manifestações de apoio dos policiais e das vítimas dos ataques em solo francês. Naquela época, vi uma França unida, pacifista, uma França que disse não à violência e estava pronta para fazer qualquer coisa para defender seu país, sua cultura, sua herança, seus símbolos e os franceses. Alguns meses depois, vejo imagens de violência contra a polícia, entre os próprios Coletes Amarelos e a destruição do patrimônio, símbolo e unidade francesa; mas o que aconteceu com a minha linda França?

IX. Conclusão

O convite para escrever este artigo me permitiu aprender um pouco mais sobre os Coletes Amarelos, o desenrolar dos eventos, o perfil dos manifestantes, suas demandas, seus meios de ação e as reações do governo. Não obstante, acho difícil encontrar documentos objetivos sobre o assunto. Todos os documentos consultados declararam os aspectos negativos e positivos das manifestações do ponto de vista do governo ou do ponto de vista dos manifestantes. Não estando diretamente ligada com esse movimento, tentei afirmar o mais objetivamente possível esses pontos de vista, mesmo que, na minha opinião, tivesse mais perdas do que ganhos. A influência da mídia, da estrutura do governo francês e o contexto histórico-sócio-político devem ser levados em consideração em minha análise. Além disso, o fato dos protestos dos Coletes Amarelos continuarem até hoje mostra que as medidas tomadas não conseguiram conciliar o povo francês com seus líderes.

Resenha do documentário Police, au coeur du chaos

Thainá SALES – Discente do curso de Relações Internacionais na Unesp de Marília e pesquisadora do Observatório de Segurança Pública.

Os coletes-amarelos, como bem salientou Barthe, foram negativamente representados pela mídia francesa desde o início das reivindicações, em 2018. Assim, tratando-se de uma produção para TV, o documentário Police, au coeur du chaos traz uma abordagem “cinematograficamente” exagerada dos confrontos entre os coletes-amarelos e a polícia francesa, ao buscar depoimentos exacerbados de ambos os lados. Além disso, observamos que há uma tendência pró-discurso policial, que reforça a imagem negativa do movimento. Então, em face de uma crise da segurança pública na França, cabe a análise do documentário em conjunto com uma abordagem crítica das ações tomadas pelo governo, ao investigar a filmagem por meio de uma análise do discurso.

A primeira problematização de ordem discursiva está contida no título do documentário, traduzido livremente como “Polícia, no centro do caos”. A polícia, responsável pela “manutenção da ordem” (também chamada de forces de l’ordre, com suas divisões extremamente militarizadas (BAUER e VENTRE, 2001), é colocada no centro de uma disputa já vista como pejorativa, intitulada como “caos”. Portanto, a imagem passada é que os policiais salvariam a nação francesa da desordem causada pelos coletes-amarelos. Assim, podemos dizer que o propósito inicial do documentário sobre investigar se as autoridades “passaram dos limites”¹ é contraditório na ordem discursiva no momento em que tenta estabelecer uma amenização da ação violenta da polícia. Além disso, quando fazemos a análise no título original, percebemos que a própria expressão francesa “au coeur du chaos” – no coração do caos, um órgão vital – remete a uma ideia mais exagerada e pró polícia. Seria a polícia um elemento vital?

Adiante, os outros elementos discursivos que traçam uma imagem da polícia como essencial para a contenção das manifestações e garantia de paz (como as diversas vezes que os manifestantes foram chamados de “vândalos” e “black-blocks” e os policiais foram representados em menor número, sempre fugindo ou cercados pelos que protestavam) reforçam o caráter parcial do documentário, assumindo uma linha política que desmobiliza, de certa forma, boa parte do movimento. Neste sentido, compreendendo o discurso como uma ação2, é essencial notar como a história é contada, do lado daqueles que possuiriam a verdade [os policiais] e que, portanto, deveriam agir para conter aqueles que provocam um dano e constituem uma ameaça à França [os coletes-amarelos].

Outro aspecto que reforça a violência dos coletes-amarelos, dessa vez pouco salientado pelo documentário, é a tentativa ininterrupta do governo francês de instaurar um estado de caos, como um estado de exceção (AGAMBEN, 2003). Fazem isso de maneira muito inteligente, manobrando a legislação e permitindo a ação de policiais ainda mais militarizados em todo o território francês. Ou até mesmo utilizando, como demonstra no final do documentário, um armamento expressamente proibido para a contenção de manifestantes (a granada GLI-F4). São, portanto, dispositivos de segurança (FOUCAULT, 1987), às vezes construídos, às vezes modificados, a fim de responder, quando necessário aos objetivos da polícia sob comando do governo.

Tratando ainda do governo, é sarcástica a maneira como o documentário busca omiti-lo da discussão, recorrendo a ação da Élysée em pequenos trechos, numa tentativa falha de não formar um posicionamento político. Omitir a própria “omissão” do governo (que, na verdade, age diretamente, a todo momento, estabelecendo mais dispositivos de segurança) já é por si só político. Neste sentido, o documentário apoia o silêncio daqueles que estão ativos em segredo e, em um movimento inverso, promove o silêncio dos representantes mais críticos dos coletes-amarelos, mostrando apenas as “vítimas” que não provocaram nenhuma degradação pública3.

E passemos a esse ponto extremamente importante: a degradação pública. Vale a pena preservar um monumento histórico e colocar vidas em risco? Segundo os policiais que participaram do documentário, foi necessário agir de maneira repressiva/violenta em relação aos manifestantes que estavam danificando o Arco do Triunfo. Portanto, o monumento é sobreposto na ordem do discurso como mais importante do que as reivindicações dos seres humanos. Contudo, alertamos: não se trata de apoiar a degradação de um espaço público, mas sim, compreender o que a sua destruição pode apoiar. Isto é, a degradação do Arco apoia o discurso que desmobiliza a luta dos coletes-amarelos, e o que os franceses (aqueles que não estão “envolvidos diretamente” nas manifestações) pensam vai de encontro com a imagem negativa: “não precisava disso tudo”. Se não precisava, por que uma manifestação pacífica não causa mudanças? Levemos a discussão para o contexto brasileiro: as manifestações contra o aumento do preço das passagens de ônibus em 2013. Os protestos, igualmente violentos, com a destruição de patrimônio público e veículos privados, resultaram no adiamento do aumento da passagem. Contudo, passadas as manifestações, houve um aumento em todo território nacional, mesmo com as diversas discussões nas câmaras legislativas. Por isto, reforçamos: por que uma manifestação pacífica, na maioria das vezes, não causa mudanças?

Não devemos nos estender nessa discussão, pois foge dos nossos propósitos iniciais. Mais interessante, assim, é analisar a degradação do patrimônio privado. Como havíamos falado anteriormente, veículos foram destruídos durante as manifestações brasileiras, assim como nas francesas. De caráter recorrente (LA CROIX, 2018), o incêndio a carros e espaços privados (como casas e a mansão retratada no documentário) é uma marca dos protestos. O documentário salienta muito bem este aspecto, o que, mais uma vez, é um movimento discursivo que tem como objetivo principal desmobilizar os coletes-amarelos e coloca-los como inimigos da nação. Uma nação que não gostaria de ter o seu carro e casa incendiados, claramente.

Assim, a análise discursiva dos elementos textuais, legislativos, políticos, públicos e privados e dos dispositivos de segurança nos mostra que o documentário Police, au coeur du chaos está de um lado: o lado policial. Mesmo que tente, diversas vezes com movimentos contraditórios, colocar-se como uma investigação neutra diante das manifestações, é um fato que o discurso policial é privilegiado nas cenas, desmobilizando os coletes-amarelos. É uma pena que isso seja retratado de tal maneira, já que o conteúdo jornalístico que nos chega (aos países que não são a França) é, quase sempre, da mesma ordem discursiva. Cabe-nos, portanto, a análise crítica de cada elemento, buscando derrubar uma verdade falsa.

Notas (Marion Barthe)

[1] Brut., 2018.

2 Brut., 2018.

3 Brut., 2018.

4 Brut., 2018.

5 Le Monde, 14/12/2018.

6 BFMTV, 2019.

7 BFMTV, 2019.

8 BFMTV, 2019.

9 Le Monde, 14/12/2018.

10 Brut., 2018.

11 Ouest France, 2018.

12 Euronews, 2018.

13 Euronews, 2018.

14 Le Monde, 06/12/2018.

15 Franceinfo, 2018.

16 Amnesty International.

17 Europe 1, 2019.

18 Europe 1, 2019.

19 Europe 1, 2019.

20 Europe 1, 2019.

21 Franceinfo, 2019.

22 BFMTV, 2019.

23 Le Monde (2), 14/12/2018.

24 BFMTV, 2019.

25 Le Monde, 07/12/2018.

26 Dr. Luís Antônio “A segurança pública”,debate liderado à UNESP, Marília (12/09/2019).

Notas (Thainá Sales)

1 A sinopse em francês : « Notre grande enquête sur le modèle français du maintien de l’ordre. Avec des témoignages inédits de forces de l’ordre et de manifestants, ce long-format revient sur la place de la police face à l’extrême violence d’un mouvement social inédit. Pour répondre à cette violence, les forces de l’ordre ont-elles parfois franchi les limites ? Les équipes de BFMTV reviendront sur les journées qui ont fait trembler la République avec des événements ayant eu lieu à Paris, Narbonne, au Puy-en-Velay, Bordeaux et à Roanne, en marge ou dans le cadre des mobilisations des “gilets jaunes”. Une enquête de Natacha Rios, Benoit Sarrade, Baptiste Besson, Julie Papet et Alexandre Funel », grifo nosso.

2 O discurso é uma ação, como vemos em Michel Foucault, uma prática discursiva que funda um regime de verdade.

3 Em relação ao silêncio, Eugênia Vilela (2002) traz uma importante discussão: “Nas vítimas, a materialização da existência é o espaço fulminante do silêncio que se desprende de uma linguagem em que o silêncio é impuro. E depois, porque é sempre depois, terceiro na sequência cronológica do tempo de destruição, o silêncio dos silenciados. Aqueles a quem retiraram a voz e o corpo”.

Bibliografia

“Police: au coeur du chaos” [documentaire], dir. par Rios, N., Sarrade, B., Besson, B., Papet, J., et Funel, A. (BFMTV, 2019).

AGAMBEN, G. Homo Sacer. II, 1. Etat d’exception, Seuil, L’ordre philosophique, 2003, 151p.

Amnesty International, “TOUT SAVOIR SUR LE DROIT DE MANIFESTER EN FRANCE”, <https://www.amnesty.fr/focus/tout-savoir-sur-le-droit-de-manifester-en-france>

[acessado o 16/09/2019]

.

BAUER, Alain; VENTRE, André-Michel. Les polices en France. Presses Universitaires de France, 2001.

Brut., “Toute l’histoire du mouvement des Gilets jaunes”, 10/12/2018 <https://www.youtube.com/watch?v=_UGzz4m-Yqg> [acessado o  14/09/2019].

Euronews, “Les revendications des “gilets jaunes””, 3/12/2018 <https://www.youtube.com/watch?v=YsJ640UazgY> [acessado o  14/09/2019].

Europe 1, “Ce rapport qui révèle le vrai coût de la crise des “gilets jaunes””, 17/07/2019 <https://www.europe1.fr/economie/gilets-jaunes-ce-rapport-qui-leve-le-voile-sur-les-consequences-concretes-du-mouvement-3910173>

[acessado o  16/09/2019]

.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. 20a ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1987.

Franceinfo, “INFOGRAPHIES. Manifestants, blessés, interpellations, enquêtes… Quatre mois de mouvement des “gilets jaunes” résumés en chiffres”, 16/03/2019 <https://www.francetvinfo.fr/economie/transports/gilets-jaunes/infographies-manifestants-blesses-interpellations-enquetes-quatre-mois-de-mouvement-des-gilets-jaunes-resumes-en-chiffres_3232747.htm>

[acessado o  16/09/2019]

.

Franceinfo, “Un porte-parole des “gilets jaunes” reçu par le ministre de la Transition écologique appelle à manifester samedi à Paris”, 28/11/2018 <https://www.francetvinfo.fr/economie/transports/gilets-jaunes/un-porte-parole-des-gilets-jaunes-recu-par-le-ministre-de-la-transition-ecologique-appelle-a-manifester-samedi-a-paris_3074945.html>

[acessado o  16/09/2019]

.

LA CROIX. « Gilets jaunes » : à Paris, pillages, incendies et affrontements. 2018. Disponível em : https://www.la-croix.com/France/Gilets-jaunes-Paris-pillages-incendies-affrontements-2018-12-01-1200986809. Acesso em: 18 de out. 2019.

Le Monde (2), “« De la Commune aux « gilets jaunes », pourquoi le maintien de l’ordre est si difficile”, 14/12/2018 <https://www.youtube.com/watch?v=EyOCnK0L4YQ> [acessado o  16/09/2019].

Le Monde, “« Gilets jaunes » : peut-on comparer le mouvement aux révoltes du passé ?”, 07/12/2018 <https://www.youtube.com/watch?v=bW2C8309oO8>

[acessado o  15/09/2019]

.

Le Monde, “Edouard Philippe confirme l’annulation de la hausse des taxes sur le carburant”, 06/12/2018 <https://www.lemonde.fr/politique/article/2018/12/06/edouard-philippe-confirme-l-annulation-de-la-hausse-des-taxes-sur-le-carburant_5393642_823448.html>

[acessado o  15/09/2019]

.

Le Monde, “Gilets jaunes : comment un vêtement banal est devenu un puissant symbole”, 14/12/2018 <https://www.youtube.com/watch?v=6rCtJugNkfI>

[accédé le 14/09/2019]

.

Ouest France, “Carburant. Où va l’argent des taxes ?”, 12/11/2018 <https://www.ouest-france.fr/economie/transports/carburants-essence-diesel/carburant-ou-va-l-argent-des-taxes-6062508>

[acessado o  16/09/2019]

.

SOUZA, Luís Antônio Francisco de, “A segurança pública”, débat mené à UNESP, Marília (12/09/2019).

Thainá Sales
Seguir Thainá Sales:

Thainá Sales
Últimos Posts de