Resenha: Aproximações da série Irmandade com o Primeiro Comando da Capital

A série “Irmandade” (2019) é produzida pela empresa de filmes e séries via streaming “Netflix”, pela direção de Pedro Morelli o responsável de produzir essa série. O conteúdo dessa produção é um drama que conta a narrativa de uma organização dos presos dentro do sistema penitenciário paulista. Segundo o diretor, a ‘facção’ “Irmandade” não teve um baseamento direto de uma facção da realidade, ou seja, a invenção da irmandade não tinha um alinhamento com qualquer organização dos presos que existe na vida real. Entretanto, o diretor afirma que para criar a organização, teve um estudo detalhado sobre a ética, normas, condutas e linguagens que muitos comandos utilizam nas suas próprias relações no Brasil. O intuito dessa resenha é justamente analisar, apontamentos intrínsecos entre a facção Irmandade e o Primeiro Comando da Capital (PCC). 

Governo deu condição para o PCC crescer, diz sociólogo Gabriel Feltran

O sociólogo Gabriel Feltran, professor da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) e autor de “Irmãos – Uma História do PCC” (Companhia das Letras) é o convidado do podcast Ilustríssima Conversa da semana. A conversa com Walter Porto, repórter da Ilustríssima, abordou a estrutura, a economia e a ideologia da facção criminosa e o sistema de justiça paralela que vigora entre seus integrantes.

PCC, Crimes de Estado e a Politização do Crime. Com Bruno Paes Manso e Camila Nunes Dias

Com anos de pesquisas, entrevistas e reportagens, poucas pessoas foram tão fundo no esforço de entender a história, a estrutura e o significado do PCC para o país quanto Bruno e Camila. Mais do que uma facção criminal, os autores descrevem o PCC como um fenômeno complexo e intrinsecamente relacionado com as políticas de segurança pública e penal do Estado de São Paulo.