Categoria [Pesquisas]

Gênero, feminismos e sistemas de justiça: Discussões interseccionais de gênero, raça e classe.

Qual deve ser a função precípua de um Programa de Pós-Graduação em Direito? Quais as marcas que devem distinguir um Programa de Pós-Graduação em Direito sediado em uma Universidade Pública que, por sua vez, se encontra em uma cidade marcada pela desigualdade política e a violência institucional? Qual o papel que esse mesmo Programa deve desempenhar no combate as injustiças que atravessam tanto o sistema político, quanto o sistema de justiça? Todas essas e muitas outras são perguntas que o Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGD/UFRJ) se faz diariamente. Para respondê-las, porém, conhece apenas um caminho. Isso porque, ao buscar se constituir como um programa plural e democrático, o PPGD/UFRJ acredita que somente rompendo com os muros da Universidade, irá encontrar a sua identidade.

Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2021

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública se baseia em informações fornecidas pelas secretarias de segurança pública estaduais, pelas polícias civis, militares e federal, entre outras fontes oficiais da Segurança Pública. A publicação é uma ferramenta importante para a promoção da transparência e da prestação de contas na área, contribuindo para a melhoria da qualidade dos dados. Além disso, produz conhecimento, incentiva a avaliação de políticas públicas e promove o debate de novos temas na agenda do setor. Trata-se do mais amplo retrato da segurança pública brasileira.

Direitos humanos e ambiente urbano no Brasil: o uso de “drones” como instrumento de controle social

Para Foucault, as sociedades de soberania estavam vinculadas a uma forma de poder “que se exerce muito mais sobre a terra e seus produtos do que sobre os corpos e seus atos”, isto é, as relações de poder giravam em torno dos bens e da riqueza e não do trabalho, com obrigações morais hereditárias e um soberano fisicamente identificável e dominante.

Educação Vigiada

Educação Vigiada é uma iniciativa de acadêmicos e membros de organizações sociais que visa alertar sobre o avanço da lógica de monetização de grandes empresas intituladas pelo acrônimo GAFAM (Google, Apple, Facebook, Amazon e Microsoft) sobre a educação pública brasileira. Disponibiliza dados da pesquisa intitulada Capitalismo de Vigilância e a Educação Pública do Brasil com a intenção de incentivar um debate na sociedade em relação aos impactos sociais da vigilância.

Faça seu cadastro na Rede de Pesquisadores – OSP

O Observatório de Segurança Pública elaborou uma rede de pesquisadores para troca de informações, divulgações de pesquisas, publicações, eventos e muitos mais. A nova plataforma possuí recursos semelhantes as redes sociais, como envio de mensagem entre os usuários, grupos, criação de postagens, entre outros recursos com foco estritamente acadêmico.

LAVITS: Rede Latino-Americana de Estudos sobre Vigilância, Tecnologia e Sociedade

A rede LAVITS tem como objetivo ser um meio para o intercâmbio entre pesquisadores, ativistas e artistas latino-americanos interessados nas relações entre vigilância, tecnologia e sociedade. A massiva presença de tecnologias de vigilância e monitoramento de dados pessoais no cotidiano latino-americano não vem sendo acompanhada, com a mesma intensidade, seja por debates públicos e movimentos sociais, seja por pesquisas acadêmicas e legislação adequada. Sistemas de vídeo-vigilância, etiquetas RFID, equipamentos com GPS, mecanismos de rastreamento de dados na Internet e em redes de telefones celulares, cartões inteligentes, documentos biométricos de identificação são alguns exemplos de tecnologias que permitem a coleta, armazenamento, gerenciamento e cruzamento de informação, em especial, de dados pessoais, todas em expansão no contexto latino-americano.

Da violência aos massacres: reflexões sobre o fenômeno das chacinas no Brasil

Por Eduardo Dyna: No dia 06 de Maio de 2021 repetiu-se mais um fato de extrema violência na história brasileira. Na comunidade do Jacarezinho, localizada na zona norte da cidade do Rio de Janeiro, uma operação policial resultou na maior chacina da história fluminense, com mais de 28 mortos e pessoas feridas. Essa ação policial foi repercutida nacionalmente e teve impacto internacional, visto o histórico da violência nas favelas cariocas e o momento atípico causado pela pandemia do Coronavírus.