30 anos de existência do Primeiro Comando da Capital: há o que comemorar? 

A organização criminal, Primeiro Comando da Capital [2] (PCC), completará no dia 31 de agosto de 2023, 30 anos de existência. O Observatório de Segurança Pública (OSP), trará uma sequência de atividades para desbravar as dimensões do PCC nesses 30 anos, dado que o partido fornece inúmeros enfoques na realidade e abre discussões interessantes para as ciências sociais, que comovem a atenção da sociedade brasileira. 

Resumo da monografia: “Organizações internacionais e sua ação contra o crime organizado transnacional: um estudo de caso sobre a ascensão e presença do Primeiro Comando da Capital (PCC) na América do Sul”

É após o massacre do Carandiru e a discussão sobre direitos humanos dos presos que o Primeiro Comando da Capital (PCC) surgiu, em 1993, na Casa de Custódia de Taubaté, vulgo Piranhão. Durante o campeonato de futebol na casa de custódia que o grupo se oficializou, após um violento acerto de contas com presos de outra galeria do presídio, com execuções, os primeiros irmãos, os fundadores se reuniram e oficializaram o PCC. Fundado oficialmente em 1993, inspirado pelo lema da falange vermelha de “paz, justiça e liberdade” e consequente da grande violência nos presídios dos anos 90, o PCC se torna um forte nome de resistência contra a violência carcerária, o grupo aos poucos se organiza e se expande para defender seus membros. Naquela época o discurso de proteção e de mudança atraiu muitos irmãos.

A chacina do Guarujá: antigos problemas e novas tragédias

Em meio às notícias e destaques de mais uma tragédia, que impactou a população de São Paulo e as vítimas deste triste evento, o Observatório de Segurança Pública (OSP) traz de maneira breve, uma reflexão sobre a chacina no Guarujá e seus impactos na realidade. O objetivo é analisar este caso específico, e discutir com a opinião pública sobre os problemas envolvendo a segurança pública paulista, as forças policiais, mundo do crime e os territórios periféricos. Este texto foi escrito no dia 01 de agosto de 2023, sendo que após a escrita dele, é possível novos desdobramentos e mudanças da realidade, alterando a natureza dessa reflexão.

As dimensões dos massacres e da violência extrema em São Paulo: um parecer sobre o fenômeno das chacinas e suas particularidades

2014.10.13 - Canoas/RS/Brasil - Vistoria do governador no Presídio Central. | Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21.com.br
Por Eduardo Dyna: O fenômeno da violência extrema é algo recorrente no território brasileiro e histórico, pois desde o período de colonização, a violência é utilizada como instrumento de dominação política. Assim, a violência, ou mais precisamente, a violência extrema foi utilizada em diferentes momentos históricos e geográficos distintos, por sujeitos e classes dominantes peculiares, que usufruem desse mecanismo de poder para atingir seus objetivos, seja ele de natureza política, econômica, manutenção ou de resistência de poder.

O crime produz segurança? Uma análise do dispositivo de proteção, segurança e administração de conflitos do Primeiro Comando da Capital nas periferias paulistas

Por Eduardo Dyna: Na sociedade brasileira, há muitos problemas envolvendo a segurança pública e a questão urbana, devido a um conjunto de questões sobre desigualdade social, racismo, repressão, violência, concentração de terra e renda, criminalidade, entre outros. É diante desse contexto que novos desdobramentos e resistências singulares foram criadas em territórios específicos, como a organização de presos, Primeiro Comando da Capital (PCC), surgida há 30 anos e que produz relações e impactos díspares na sociedade, atuando nos ilegalismos e agindo em territórios para preencher vácuos deixados pelo Estado, principalmente nas prisões e periferias.

ANPOCS GT57. Violência de Estado, Governança Criminal e Conflitos Urbanos: diálogos interdisciplinares e interfaces entre militarização e segurança

A persistência de altos níveis de letalidade em ações da polícia constitui um dos grandes desafios da democracia no Brasil contemporâneo. Desde o processo de redemocratização, nos anos 1980 a 1990, a letalidade e a violência policiais têm se colocado no cerne do debate em torno da segurança pública. Várias iniciativas de controle surgiram nas três últimas décadas e os estudos acadêmicos mostraram seus limites e problemas. De toda forma, políticas efetivas de controle da violência policial, por mais tímidas que tenham sido, estão sofrendo revezes nos estados e na União. A violência estatal e a praticada por atores não-estatais seguem três tendências: estão disseminadas em todas as grandes periferias urbanas de todos os estados; estão cada vez mais articuladas tanto pela militarização das polícias quanto pela milicianização da segurança pública; a violência não é apenas local, mas se ampliou em redes transnacionais. O GT pretende promover um espaço de diálogo interdisciplinar entre pesquisadores que, a partir da complexidade característica do campo de estudos, tomam a questão da violência, da letalidade estatal e da ação violenta de atores não-estatais como seu foco de pesquisa.

Maternidades: algumas reflexões feministas

No Brasil, o segundo domingo do mês de maio foi escolhido - seguindo uma tradição norte-americana - como data comemorativa para o dia das mães. Historicamente celebrado no Brasil desde o início do século XX, a data foi oficializada em 1932 durante o governo provisório de Vargas. Cabe à nós, tendo se passado 91 anos desde sua oficialização, refletir sobre como esse dia é celebrado em sua teoria e em sua prática.