Gênero, feminismos e sistemas de justiça: Discussões interseccionais de gênero, raça e classe.

Qual deve ser a função precípua de um Programa de Pós-Graduação em Direito? Quais as marcas que devem distinguir um Programa de Pós-Graduação em Direito sediado em uma Universidade Pública que, por sua vez, se encontra em uma cidade marcada pela desigualdade política e a violência institucional? Qual o papel que esse mesmo Programa deve desempenhar no combate as injustiças que atravessam tanto o sistema político, quanto o sistema de justiça? Todas essas e muitas outras são perguntas que o Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGD/UFRJ) se faz diariamente. Para respondê-las, porém, conhece apenas um caminho. Isso porque, ao buscar se constituir como um programa plural e democrático, o PPGD/UFRJ acredita que somente rompendo com os muros da Universidade, irá encontrar a sua identidade.

Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2021

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública se baseia em informações fornecidas pelas secretarias de segurança pública estaduais, pelas polícias civis, militares e federal, entre outras fontes oficiais da Segurança Pública. A publicação é uma ferramenta importante para a promoção da transparência e da prestação de contas na área, contribuindo para a melhoria da qualidade dos dados. Além disso, produz conhecimento, incentiva a avaliação de políticas públicas e promove o debate de novos temas na agenda do setor. Trata-se do mais amplo retrato da segurança pública brasileira.

A República das Milícias – Soberania em Debate

Por Rede TVT: Vamos falar sobre as ligações perigosas e indecorosas do atual presidente da República e sua família com a milicia. Para comentar o tema, batemos um papo com o cientista político Bruno Manso, autor do livro A República das Milícias - Dos esquadrões da morte à era Bolsonaro.

Direitos humanos e ambiente urbano no Brasil: o uso de “drones” como instrumento de controle social

Para Foucault, as sociedades de soberania estavam vinculadas a uma forma de poder “que se exerce muito mais sobre a terra e seus produtos do que sobre os corpos e seus atos”, isto é, as relações de poder giravam em torno dos bens e da riqueza e não do trabalho, com obrigações morais hereditárias e um soberano fisicamente identificável e dominante.

Afastamento de promotoras das investigações da morte de Marielle Franco preocupa a Anistia Internacional Brasil

A Anistia Internacional Brasil acompanha com preocupação a notícia acerca do afastamento das promotoras Simone Sibílio e Leticia Emile da Força Tarefa criada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) para investigar os assassinatos da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes. As promotoras, que conduzem as investigações desde 2018, supostamente teriam optado voluntariamente pelo afastamento de seus cargos.